Dez Dicas Práticas para Comprar um Imóvel Residencial na Planta

By | domingo, maio 06, 2012 Leave a Comment
Dez Dicas Práticas para Comprar um Imóvel Residencial na Planta
A aquisição de um imóvel residencial na planta tem inúmeras vantagens para quem pode esperar um pouco até a obra ser concluída e tem apenas parte do recurso para comprar. Além do preço mais acessível, o imóvel continuará valorizando durante a construção, fazendo seu dinheiro render. Mas, este investimento requer alguns cuidados. Por isto, apresentamos algumas dicas práticas para que você tenha certeza de fazer um bom negócio.
Segue:
1 – Solicite a assessoria de um corretor de imóveis
Pesquisar de forma aleatória na internet e visitar vários empreendimentos sem ter um foco definido, além de ser cansativo, tende a não trazer resultados satisfatórios. Então, solicite a ajuda de um corretor de imóveis com registro no CRECI e que conheça bem o mercado. Evidencie para ele quais serão os fatores decisivos na hora da comprar (valor que você tem disponível para a entrada, valor do imóvel, localização, entre outros). Este serviço poupará seu tempo e dará maior segurança no negócio.

2 – Visite as ofertas selecionadas pelo corretor
Com as seleções dos imóveis realizadas pelo corretor, agora sim é hora de acessar os sites dos empreendimentos e das empresas interessadas em vender. Dedique algum tempo para visitar os plantões de vendas e decorados e não tenha vergonha de fotografar, pedir folders e pegar informações sobre tudo (preços, condições, quantas unidades já foram vendidas, quando será entrega a obra, etc.). Também dê uma atenção especial à implantação do empreendimento, à posição da(s) unidade(s) em relação ao sol, nível de infraestrutura e avaliação da vizinhança (barulho, bancos, praças, escolas, pontos de ônibus, entre outros). Faça isto durante o dia e durante a noite. Além de saber como será o nível de segurança para sua família é um bom referencial para verificar se o imóvel tende a valorizar, manter-se estável ou depreciar.

3 – Busque Saber o Histórico da Construtora ou Incorporadora
Certifique-se de que existe um RI – Registro de Incorporação e que a construtora ou incorporadora é idônea. Você poderá buscar informações no site Reclame Aqui, no PROCON, nos Juizados Especiais, nas mídias sociais e utilizar o próprio Google para verificar como a empresa trata os consumidores e como estão os cronogramas de entrega de outras obras. Caso o terreno ainda esteja em alguma disputa entre herdeiros ou com outras limitações legais que possam vir a prejudicar o andamento da obra, evite fazer o negócio. É importante que você visite outras obras feitas pela empresa e, se possível, converse com os moradores ou com o síndico para saber mais sobre como foi o processo de compra e relacionamento pós-venda.

4 - Evite comprometer mais que 30 % da renda familiar
Em geral, os bancos, imobiliárias e construtoras fazem uma análise criteriosa de quanto você poderá comprometer da renda familiar para pagar as prestações da casa própria. Pela nossa experiência, um bom parâmetro é não deixar mais que 30 % das despesas para este negócio, mesmo que não existam muitas exigências dos vendedores. Desta forma, você evitará aborrecimentos.

5 – Prestações intermediárias e índices de reajuste
Verifique atentamente o contrato. Se for o caso, contrate um advogado para assessorá-lo. Em geral, as empresas solicitam sinal, prestações intermediárias (balões) e outro valor na entrega das chaves. Quanto ao índice de reajuste, esteja atento para saber qual deles será adotado e quanto representarão os reajustes nas prestações ou no valor anual do imóvel.  Os valores que deverão ser pagos para a construtora antes do financiamento variam entre 20 e 30 % do total. Este valor deverá ser pago até a data de entrega da obra.
6 – Quem pagará a corretagem?
A taxa média de corretagem é de 6% (seis porcento) e quem paga é o vendedor do imóvel. Atente para este item, pois, pode ser uma boa moeda de troca na negociação, caso você tenha este recurso disponível.

7 – Valor do condomínio 
Procure saber com o corretor qual o valor provável do condomínio. Hoje com empreendimentos com infraestrutura similares a de um clube é importante você deixar uma reserva para estes custos, quando for morar no imóvel. Evite surpresas!

8 – O financiamento
Avalie as diversas ofertas de financiamentos bancários. Não tenha pressa, pois, os juros podem variar muito de um banco para outro conforme o padrão da construção. Os principais bancos que operam no mercado imobiliário são : Banco do Brasil, HSBC, Santander, Bradesco, Itáu e Caixa Econômica Federal.

9 – O Contrato

Se tiver dúvida, procure um advogado. O PROCON orienta que no contrato devem constar os dados da construtora e do vendedor, valor total do imóvel, forma de pagamento ou de financiamento, periodicidade e índice de reajuste, local de pagamento, penalidades no atraso de pagamento de parcelas (a multa é de até 2%), valor do sinal antecipado, indicação da unidade privativa e garagem adquiridas (localização, confrontação, metragem total, área privativa, área comum, garagem etc.) e outras condições prometidas pelo vendedor. No contrato também devem constar o prazo para início e entrega da obra. Caso seja prevista multa por atraso na entrega, é importante que ela esteja incluída nas cláusulas do documento. Anexo ao contrato também deverá estar o memorial descritivo, constando tudo que o imóvel deverá ter depois de pronto.

10– Entrega da obra
Atualmente existe segurança na compra de um imóvel na planta, em virtude dos avanços legais do setor imobiliário. Além do patrimônio de afetação, existem modelos de estruturação do negócio que “blindam” o empreendimento, tais como as SPEs – Sociedades de Propósito Específico. Mas, se você ainda não se sentir confortável, uma forma cômoda é fazer um seguro de garantia de entrega da obra (custa de 1 a 3% do valor do imóvel). Várias empresas já possuem este seguro, principalmente se elas estiverem utilizando recursos de financiamento para a construção (exigência dos próprios bancos). Se a empresa for de capital aberto você pode acompanhar a “performance” financeira dela pela própria internet. Elas publicam balanços abertos aos acionistas, que você também pode acessar.
Bons negócios!


Artigo elaborado para a 6ª edição da Revista Imóveis News.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial