10 de junho de 2021

Warren Buffett visa a Construção Modular

Warren Buffett, um dos maiores investidores globais, aportará ainda mais recursos na construção modular offsite, através das companhias Berkshire HathawayClayton Homes e MiTek. Será um modelo híbrido onde as empresas desenvolverão e entregarão kits para serem montados pelos empreiteiros. E, no futuro, talvez até pelos próprios consumidores. Nos últimos dias houve um acordo com um dos principais escritórios de arquitetura do mundo, a Danny Foster, para elaboração das tipologias a serem adotadas.

As empresas esperam transformar a construção de casas em algo similar a uma linha automotiva, oferecendo soluções fáceis de serem adotadas por arquitetos e desenvolvedores imobiliários. É uma forma um pouco diferente de ver a solução modular. No início a proposta é atacar segmentos como senior living, hotéis e moradias econômicas, por exemplo. Segundo as empresas o modelo proposto diminuiria custos altos com logística.

Vamos acompanhar a evolução da iniciativa! 




6 de junho de 2021

Comissão debate programa Casa Verde e Amarela

 Habitação - casas - moradia popular conjuntos habitacionais déficit habitacional (programa Minha Casa, Minha Vida no Espírito Santo)

A Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara dos Deputados promove audiência pública na próxima sexta-feira (11) para debater a política habitacional do programa Casa Verde e Amarela.
A reunião será no plenário 14, às 9 horas.

Entre os que confirmaram presença estão o representante da União Nacional por Moradia Popular, Alberto Freire; e a representante do Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico, Rosane Tierno. Veja a lista completa de convidados.

A audiência foi pedida pelos deputados José Ricardo (PT-AM) e Joseildo Ramos (PT-BA).

Segundo os deputados, a programa Casa Verde Amarela, criado pela Lei 14.118/21, não prevê aporte significativo de recursos orçamentários para produção habitacional, nem subsídios como havia no Minha Casa Minha Vida (Faixa 1), que atendia famílias com renda até R$ 1.800,00, em que as prestações não passavam de 10 % da renda pelo período de 10 anos. Esta faixa responde por mais de 70% do déficit habitacional brasileiro.

"Agora, o foco do programa é abrir novas linhas de financiamento, com prestação mensal que chegará a 30% da renda por um período de 30 anos. Além disso, as exigências para as famílias acessarem o financiamento (não possuir restrição cadastral, necessidade de parte do valor do imóvel como entrada, comprovação de renda estável) excluem a maior parte das famílias que demandam moradia. Isto confunde o que é Moradia de Interesse Social com Produção de Moradias para o Mercado Imobiliário", observam os autores do requerimento.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

3 de junho de 2021

Katerra Encerra Suas Operações

Fato relevante noticiado esta foi o encerramento das operações da startup norte-americana KATERRA. Lastreada pelo grupo Softbank, que alavancou 2 bilhões de dólares há alguns anos, a empresa vinha adquirindo várias fábricas ao redor do mundo (Estados Unidos, Índia e Arábia Saudita). Em 2020 a empresa tinha mais de 8 mil funcionários.

Fábrica Katerra - EUA

A Katerra surgiu com o propósito de transformar a indústria da construção através de fábricas eficientes, peças pré-fabricadas e unidades de construção modular. Mas, nos últimos meses o mercado ficou ciente dos resultados e das dificuldades da verticalização das operações, bem como sobre os impactos dos aumentos de custos associados à pandemia e problemas de gestão. Segundo o site The Information, a empresa californiana já começou a demitir centenas de funcionários e deverá abortar  dezenas de projetos.

A empresa e os acionistas ainda não se pronunciaram oficialmente. E o embasamento é a partir de um email recebido pelos funcionários datado de 1º de junho último. A preocupação maior, claro, fica por conta dos funcionários da companhia. Ressalto que o mercado norte-americano de construção é pujante, com transações superiores a 1,2 trilhões de dólares. E certamente outras companhias ocuparão o espaço que será deixado pela Katerra.

Por sua vez, aqui no Brasil, a construção off-site e modular vem ganhando cada vez mais força e temos inúmeros exemplos de que só é possível atender as demandas com estas soluções construtivas.

Ficarão os aprendizados do case Katerra! 

=> Disponibilizo abaixo o link de uma live esclarecedora moderada por Dave Cooper, com a participação dos executivos da Lindbacks Bygg, Autovol, Entekra, Structurlam e Forward. 


15 de maio de 2021

Teclive - Vendas no Mercado Imobiliário Em Meio A Crise

 


3 de maio de 2021

Vale a Pena Executar Obras de Ciclo Rápido?

Içamento telhado Tecverde

Nos canais digitais da Tecverde apresentamos por meio de materiais orientativos a sustentação da tese que obras executadas com construção industrializada offsite tem resultados financeiros muito superiores a outros sistemas construtivos.

As obras da Tecverde, por exemplo, são executadas até quatro vezes mais rapidamente do que no sistema convencional. De um lado, isto ajuda o incorporador a realizar medições mais elevadas com o agente financeiro (historicamente, clientes Tecverde recebem cerca de 40% das medições já no primeiro terço do cronograma do empreendimento); e, de outro, mitigam significativamente os riscos ao reduzir de forma acentuada a incidência de inflação sobre os custos globais da obra e expõe menos mão-de-obra e terceiros no canteiro.

Considerando estes fatores, é possível evidenciar os indicadores na viabilidade econômico-financeira e, com um fluxo de caixa consistente, demonstrar os saldos positivos acumulados no início da obra, que permitem ao incorporador alavancar a execução de outros empreendimentos imobiliários e impactar os acionistas e investidores ao analisar o capital investido versus retorno.

Esta discussão foi uma das pautas abordadas na primeira TECLIVE deste ano, organizada pela Tecverde e que teve a Tenda como convidada. Participaram pela Tecverde, o CGO Caio Bonatto; e, pela Tenda o CFO Renan Sanches e o RI Alvaro Kauê Rodrigues.

Segundo o CFO da Tenda “alongar o prazo de execução das obras não gera valor para o negócio. Obras rápidas, sim. No repasse, no caso do apoio a produção, os valores do financiamento (receitas) das unidades travam e o dinheiro fica queimando pela inflação, seja no custo fixo ou na própria obra”. A Tenda não pretende aumentar o valor do pró-soluto, até em virtude de sua estrutura atual de modelo de cobrança, que tem ano após ano diminuído os índices de inadimplências! Ainda, para o CGO da Tecverde “executar unidades no ciclo ótimo do empreendimento é uma das principais vantagens deste tipo de operação, pois, além de não trazer qualquer prejuízo para o pró-soluto ainda ajuda a gerar caixa por conta das medições aceleradas”.

Como visto, questões recorrentes por parte das construtoras acostumadas a executarem obras de ciclo longo, como o caso do pró-soluto, acabam tendo impacto minimizado ao analisarmos com profundidade os ganhos e benefícios da construção industrializada.

Você pode assistir ao evento na íntegra acessando o link a seguir:

20 de março de 2021

Um quarto dos canadenses com idades entre 25 e 35 anos comprou imóveis durante a pandemia


Newfoundland - Canadá

Uma pesquisa recente da Royal LePage mostrou que 25% dos jovens adultos canadenses (entre 25 e 35 anos) compraram imóveis durante a pandemia. Fato relevante que boa parte migrou para imóveis rurais, elevando os preços nestas regiões.

Destaques em números:
  • 68% dos não proprietários de imóveis nesta faixa etária pretendem comprar uma casa dentro de cinco anos;
  • 72% da amostra se sente confiante em suas perspectivas financeiras de curto prazo;
  • 48% já possui imóvel;
  • 47% dos jovens querem morar em cidades pequenas(ou no campo); 
  • 40% da amostra viu sua renda crescer desde março do ano passado; e
  • 19% das pessoas nesta faixa etária disseram que não era importante ou tinham empregos onde não podiam fazer aquisições de imóveis.
Segundo o presidente e CEO da Royal LePage, Phil Soper, a segurança nos investimentos imobiliários, taxas de hipoteca caindo, o espaço reduzido para o trabalho na casa dos pais ou amigos e a condição econômico-financeira deste público são alguns dos pontos que ajudaram a desenhar este cenário.

Curioso para saber se temos estudos similares aqui no Brasil. Estes dados trazem vários pontos para nossa reflexão.


Mais aqui. (em inglês)

13 de março de 2021

Construtora investe em ações focadas no bem-estar e saúde dos colaboradores

As mudanças ocorridas na vida profissional e pessoal diante do cenário global de pandemia demandam novas formas de pensar a rotina dos trabalhadores nas empresas. Uma das apostas do Grupo EPO, empresa que atua há 29 anos no mercado imobiliário mineiro com a construção de empreendimentos de alto padrão, inovadores e sustentáveis, tem sido investir em ações que promovam bem-estar e saúde de seus colaboradores.

A construtora implantou em janeiro o programa VIVA BEM EPO, com uma série de ações de cuidado para com seus colaboradores. O Grupo EPO criou o Dia do Yoga, que acontece na última segunda-feira de cada mês, no final do expediente. "As aulas são abertas a todos os colaboradores do escritório central. Pensamos no yoga, pois, além da produtividade, a prática melhora a qualidade de vida, ajuda a desestressar, colabora com a concentração e promove integração entre a equipe", Renata Innecco, Gestora do setor de Comunicação e MKT do Grupo EPO.

Para reforçar a importância de se ter hábitos alimentares saudáveis, a EPO realiza uma vez por mês o Dia da Fruta. Durante a ação, a empresa oferece uma fruta para o colaborador, conscientizando-o sobre os benefícios que aquele alimento traz para o seu organismo.

Outra iniciativa de sucesso entre a equipe foi o Dia do Videogame. Oferecemos para os colaboradores jogos focados em movimento do corpo. Foi uma atividade recreativa que além de diversão, traz bastante sinergia e união entre as equipes", Renata. Essas e outras ações acontecerão durante todo o ano, e a ideia é estender as ações até os canteiros de obras.

Nesse mês de março, a construtora lançou ainda a campanha "Disputa de Passos''. Cada colaborador que se dispôs a participar ganhou um marca passos e no final de 15 dias aquele que tiver mais passos ganhará um prêmio a ser definido pela empresa.

Dia da Mulher
Para comemorar o Dia da Mulher, de 8 a 12 de março, o Grupo EPO realizou uma série de ações para suas colaboradoras. Serão trabalhados temas diversos como dicas de autocuidado, a importância da mulher no mercado de trabalho e autoestima.

Conscientização
No atual cenário que o mundo vive, é fundamental que as empresas orientem os funcionários quanto às formas de transmissão e precaução contra o coronavírus. Diante disso, além de adotar todas as medidas obrigatórias de prevenção à Covid-19 no ambientes corporativo, o Grupo EPO tem uma constante conscientização dos colaboradores por meio da divulgação de comunicados no escritório e canteiros de obra sobre os cuidados que devem ser tomados e a importância de mantê-los tanto no ambiente de trabalho, quanto no familiar. Sempre que possível, a empresa realiza um rodízio de home office para esvaziamento do escritório sede.